Historia com Farinha

“A construção da identidade de sujeitos históricos a partir de atividades e dinâmicas sóciointeracionistas

Jonas Araújo Pereira JÚNIOR, Nátaly Ramos GAMA, Yasminy dos Santos BARAÚNA, João Mateus dos Santos RIBEIRO, Kleverson da Costa ALVES, Linniver Maciel de SOUZA

 

Resumo

 

Esse artigo analisa a experiência de alfabetização científica do projeto “A construção da identidade de sujeitos históricos a partir de atividades e dinâmicas sóciointeracionistas” implementado nas turmas de 9º ano da Esc. Mul. Arthur Engrácio da Silva. Ele discute as características socioeducativas dos estudantes, a metodologia no ensino de História e a estrutura do livro didático do projeto Araribá de História.

artigo completo: http://pce.inpa.gov.br/index.php/RCE/article/view/270

logo_HProfessor Jovem Cientista PJC – Jonas Araújo Pereira Júnior
E-mail: ojuara.jonas@gmail.com
Página no facebook: Sujeito Histórico
Blog: jonasojuara.wordpress.com

Motivação para o Desenvolvimento do Projeto

Nos anos de 2013 e 2014 durante a realização dos projetos “A construção da identidade do sujeito histórico a partir da produção de vídeo documentário sobre a realidade escolar” e “A construção da identidade de sujeitos históricos a partir de atividades e dinâmicas sócio- interacionista” percebeu-se que a grande maioria dos educandos tem dificuldade em refletir sobre o espaço em que vive. Para superar essa dificuldade, esse projeto dará um enfoque mais direto sobre o espaço onde se vive. Em função de tudo isso, esperamos com esse projeto realizar o registro fotográfico do bairro Nova Floresta aos moldes dos registros etnográficos.

Objetivo Geral

Refletir sobre o poder da imagem na representação de uma realidade em um determinado tempo histórico.

Metas

Meta 1: Realizar, no primeiro bimestre, levantamento bibliográfico sobre o registro fotográfico etnográfico.
Meta 2: Aplicar, no segundo bimestre, o processo de registro das fotografias no Bairro Nova Floresta.
Meta 3: No último bimestre do projeto, realizar oficinas com toda a comunidade educativa apresentando os resultados da pesquisa.

METODOLOGIA

Visto que a pesquisa tem o objetivo de realizar o registro etnográfico do bairro Nova Floresta por meio de fotografias, utilizaremos no primeiro momento a tomada de conhecimento da bibliografia por parte dos educandos sobre a pesquisa científica. Trabalharemos com atividades e dinâmicas em todas as etapas para que os educandos e bolsistas se familiarizem com a metodologia que está sendo proposta. A ideia é que essa prática de estudo se torne corriqueira e ao mesmo tempo atraente para os estudantes. Ao fim do projeto esperamos que os educandos sejam capazes de aplicar, reconstruir e até criar registros etnográficos alinhados as habilidades, competências e conteúdos da disciplina de História.

Para atender tais expectativas iremos adotar o método de pesquisa qualitativa, pois dela faz parte a obtenção de dados descritivos mediante contato direto e interativo do pesquisador com a situação objeto de estudo. Assim, é frequente que o pesquisador procure entender os fenômenos, segundo a perspectiva dos participantes da situação estudada e, a partir daí situe suas interpretações dos fenômenos estudados. Faremos também registro fotográfico e audiovisual das nossas observações nos trabalhos de campo. Após a sistematização de todos esses dados levantados partiremos para a apresentação dos resultados na escola, bem como a elaboração do relatório a ser entregue a FAPEAM.

O Prêmio Professores do Brasil é uma iniciativa do Ministério da Educação que, por meio da Secretaria de Educação Básica juntamente com as organizações parceiras, está na 9ª edição.

A meta é reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.

Todos os professores de escolas públicas da educação básica podem se inscrever enviando um relato do trabalho desenvolvido com uma turma de alunos.

Sabemos que registrar uma experiência, um processo vivido ou mesmo uma conversa entre alunos e professores é uma forma de sistematizar o conhecimento do professor. Assim, além de participar do processo de premiação, os professores desenvolvem um exercício de reflexão sobre a própria prática o que garante o aprimoramento dos processos de ensino e aprendizagem.

Ou seja, independentemente do processo de seleção, a participação dos professores é um caminho para a busca da qualidade na educação, compromisso de todos os educadores!

 

Maiores informações no site: http://premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br/

PCE 2015: Julho

06, segunda-feira

  • Volta às aulas.

09, quinta-feira

  • 9h45 – Encontro de formação e retomada das pesquisas dos bolsistas.
  • 13h – Visita técnica dos bolsistas a Esc. Mul. Arthur Engrácio da Silva. Apresentar o sigfapeam para os bolsistas.

13, segunda-feira

  • 8h às 12h Oficina sobre foto etnografia.
  • 13h às 15h Elaboração do material sobre produção de artigo científico para revista do PCE.

15, quarta-feira

  • 8h – Oficina de execução financeira e prestação de contas.

21, terça-feira

  • 8h – Oficina de relatório técnico científico.

22, quarta-feira

  • 8h às 10h – Oficina sobre técnicas de fotografia.
  • 13h às 17h – Prática de campo no bairro Nova Floresta.

30, quinta-feira

  • 8h às 11h – Oficina sobre técnicas de fotografia.
  • 13h às 17h – Prática de campo no bairro Nova Floresta.

31, sexta-feira

  • Circuito da ciência.

Encerraram ontem os trabalhos da comissão de relatoria junto ao Fórum Municipal de Educação que realizou a construção do documento base do Plano Municipal de Educação da cidade de Manaus, agora o documento será enviado à prefeitura e a câmera municipal de vereadores.
Contudo, acredito ser importante refletirmos sobre a resistência apresentada pela prefeitura e pela comissão de educação da câmara de vereadores em realizar CONFERÊNCIAS DE EDUCAÇÃO para DEBATER junto com toda a sociedade sobre a POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO.

POLÍTICA PÚBLICA X POLÍTICA DE GOVERNO
Muita gente desconhece a diferença de um modelo político para o outro. A política pública é formulada com a participação direta da sociedade em conjunto com o poder executivo e legislativo e após aprovada vira lei e deve ser cumprida no prazo de 10 anos. Já a política de governo é feita durante as promessas eleitorais e muda de acordo com o governante que está no poder.

MANAUS TEM UMA POLÍTICA PÚBLICA CONSOLIDADA DE EDUCAÇÃO?
A resposta é não! Manaus só nos últimos 4 anos mudou 5 vezes de secretário de educação e cada um que assumiu apresentou ideias completamente diferentes do seu anterior, ou seja, nem a política de governo tem sido cumprida.

COMO CONSOLIDAR AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO?
O Primeiro passo já foi dado pelo Fórum Municipal, que é realizar levantamento dos principais desafios da educação no município. O segundo é REALIZAR CONFERÊNCIAS para debater junto com a sociedade o modelo de política pública que a cidade quer, porém, a prefeitura e a câmara municipal pretendem aprovar o PME sem realizar nenhuma conferência. O terceiro passo é o debate na Câmara de Vereadores seguido de sua aprovação. O ultimo passo é a implementação da política pública por parte da prefeitura com o monitoramento por parte da sociedade civil organizada.

*Participei desse processo enquanto convidado por ter sido delegado nas conferências municipais, estadual e nacional de educação realizada ano passado para debater o Plano Nacional de Educação.

As vezes é preciso sair da zona de conforto para entender o mundo a nossa volta, vejo várias pessoas querendo revolucionar o Brasil derrubando apenas a  chefe do governo federal.
O Estado brasileiro é formado pela conjugação de vários elementos, entre eles; Partidos políticos,  alianças partidárias, financiamento eleitoral, entre outros. Contudo, vamos centrar fogo nesses três pontos.
Boa parte dos partidos políticos possuem um “cacique” político,  título que considero errado já que dentro da tribo indígena o cacique não é o dono,  ou um cartel que manipula as decisões internas do partido. Normalmente esse “cacique” ou esse cartel definem a política de alianças visando a quantidade de dinheiro e de tempo de TV  que esse acordo pode render.
Paralelo a essas ações existem os “lobistas”, uma espécie de empresário que utiliza os políticos para faturar dinheiro em grandes projetos, esses caras fazem uma analise dos candidatos que possivelmente serão eleitos e investem pesado em suas campanhas, já visando cobrar esse financiamento eleitoral com contratos que iram render o dobro do que gastaram.
Em fim, mudar o Estado brasileiro vai além de tirar um governante,  é preciso atacar todo esse sistema que corrompe quase tudo que toca.

image

O ano de 2014 marcou a sociedade brasileira de uma maneira única, tivemos a copa mundial de futebol, uma das eleições mais debatidas pelo conjunto sociedade, à aprovação do plano nacional de educação e a realização da II Conferência Nacional de Educação. São elementos importantes para o amadurecimento do nosso país, contudo estão acompanhadas de algumas deficiências que precisam ser superadas.

Ao observar o comportamento do manauara em relação à copa do mundo percebi uma aceitação muito grande, claro que ouve protestos uns aqui e outro ali, mas em geral o povo assumiu esse evento de braços abertos. Amigos meus narravam que nunca tinham utilizado tanto o jogo de sinais (claro que adaptado) para se entrosar com os gring@s e levar esse povo pra conhecer os diversos espaços que a cidade oferece.

Nesse momento eu até me perguntava “Pra onde foi parar as manifestantes de 2013?”. O povo só queria curtir aquela vibe, embriagados por toda a magnitude daquele evento, quando de repente a seleção brasileira perde de 7 a 1. E o desespero bateu a porta de toda uma nação, as pessoas se questionavam “Fudeu,fudeu! Não tem mais jeito, até no futebol o Brasil se ferra”.

Uma derrota que não foi pra Alemanha , mas para o uniforme do flamengo “huhauhauha”. Tu acredita que teve animal que disse “O meu consolo é que a seleção perdeu pra Alemanha que estava com o uniforme do flamengo!”

Passado a copa veio o período eleitoral, cercado de incertezas com três nomes fortes concorrendo a presidência. Quando misteriosamente o avião de Eduardo Campos sofre uma pane e ele morre. E mais uma onda de emoções atinge o país, os meios de comunicação fazem uma cobertura massiva sobre o acontecimento todos os candidatos marcam presença no velório, passado alguns dias vem a decisão de que sua vice Marina Silva assumiria a candidatura e temos uma reviravolta no quadro eleitoral.

A eleição que até então estava polarizada entre azul e vermelho ganhou uma nova cor o verde. Daí pra frente tivemos uma das grandes máquinas eleitorais ser usada como principal arma de guerra e ao final ser desmoralizada, os institutos de pesquisa eleitoral.

Durante todo o primeiro turno os jornais noticiavam quase que um empate técnico entre Dilma e Marina, mas quando veio o resultado pra surpresa geral dos telespectadores quem vai pro segundo turno é Aecio em vez de Marina. Os eleitores ficaram surpresos com a reviravolta, um golpe midiático transformou o PSDB em uma “Nova Política”.

Ao iniciar o segundo turno muita coisa mudou, famílias foram separadas, amizades foram desfeitas. Era como se no lugar dos times de futebol, Dilma e Aecio tivessem ganhado cada um uma torcida organizada, onde quem declarava voto pra Dilma era automaticamente taxado de “PTralha” pelos adversários e quem dizia votar no Aecio era igualmente taxado de “Coxinha reacionário”. Em fim, o nível das discussões nas esquinas era semelhante aos debates da televisão.

Ao termino das eleições a direita golpista resolveu sair do armário e ir as ruas pedir a cabeça da presidente eleita ensaiou um golpe mais na hora “H” deu “capim na palheta”, ou seja, “peidou na farofa” como diria a grande filósofa contemporânea Renata T. e acabou deixando o velho lobo com sua longa barba “pagando de otario”.

Paralelo a toda essa turbulência ocorria de maneira mais tímida a consulta a população brasileira em relação ao modelo de educação que queremos, era a conferência nacional de educação. Boa parte dos municípios brasileiros não participaram, outros os seus delegados nem sabiam ao certo o que estavam fazendo naquele evento. E o que se percebeu ao decorrer do processo é que esse espaço não passou de uma grande celebração ao modelo pré moldado no congresso nacional.

Agora a bola da vez é o escândalo da PETROBRAS, pela primeira vez na vida a justiça brasileira resolveu investigar além dos corruptos os corruptores, aquelas empresas que financiam a campanha do PT e outros partidos em troca de contratos milionários. Em meio a todo essa crise política o governo federal, o congresso nacional e os partidos políticos resolvem, “é hora de fazer uma reforma política porque do geito que vai o povo vai já voltar com essa história dos 20 centavos”.