Historia com Farinha

*Jonas Araújo Pereira Júnior

Ao refletir sobre o “papel do educador” dentro da sala de professores de qualquer escola pública é comum ouvir afirmações do tipo “Há, eu já fui assim, isso é só fogo de inicio de carreira” ou então “Quero ver manter essa animação depois de entrar na turma tal”. Essas e outras afirmações são feitas pois no Brasil a educação possui duas faces: a educação prevista e a educação real.

Mesmo assim, arrisco a dizer que é possível desempenhar uma papel protagonista nesse espetáculo que foi transformado a educação brasileira. Não sou do tipo de pessoa que espera pelo reconhecimento da importância da educação por toda a sociedade, sei que a maioria frequentou uma escola que era pouco atrativa e nada tinha a dizer sobre a realidade, mas parafraseando Paulo Freire (2001) “creio que a melhor afirmação para definir o alcance da prática educativa em face dos limites a que se submete é a seguinte: não podendo tudo, a prática educativa pode alguma coisa.”

Os cursos de licenciatura no Brasil tem se preocupado em produzir profissionais competentes na educação prevista (PCNs, LDB, curriculum escolar e etc.), contudo, ao entrar na sala de aula se deparam com educação real, por exemplo, no Amazonas a grande parte dos professores sofrem assédio moral por parte das secretárias de educação em função da conhecida aprovação automática de no mínimo 85% dos alunos nas escolas. Eis aí a contradição da educação brasileira a educação prevista se preocupa com as habilidades e competências dos educandos e a educação real se preocupa com o índice de aprovação dos “clientes”.

Essa contradição somada à desvalorização da carreira do magistério constrói um campo aberto para o pacto da mediocridade que pode ser observado na imagem a baixo.

Imagem

Uma educação medíocre produz pessoas com pensamentos, comportamentos e visões medíocres. O garotinho da imagem por exemplo, chega a conclusão de que a única forma de protestar contra o governo é não lendo jornais, nem acompanhando questões complexas e muito menos votando, ou seja, ele está abrindo mão da CIDADANIA. O questionamento que veio a minha cabeça ao analisar tal figura foi …

…Qual o papel do educador nesse cenário?”.

Acredito que assim como é inadequado pensar em estudantes ideais para organizar currículos, programas e planos de aula, é inadequado pensar o professor ideal para responder aos desafios atuais da educação. Em certo momento da vida Pierre Bourdieu disse “Quem detém a educação, deterá o futuro, pois é o lugar em que se faz o outro pensar como as autoridades querem”.

Na minha pouca experiência com a educação creio que o papel do educador é passar a desbravar essa realidade e apontar possibilidades. Paulo Freire dizia que o ato de ensinar está vinculado ao de aprender, é relacional e exige rigorosidade metódica, é o ato de arriscar-se com o novo e rejeitar qualquer forma de descriminação. Na escola, essa perspectiva implica articular o ensino e a aprendizagem, o conteúdo e a forma de transmiti-lo.

Não tenho uma saída mágica para resolver esse impasse, mas creio que o ponto de início deve ser o fim de afirmações do tipo “Há, eu já fui assim, isso é só fogo de inicio de carreira” ou “Quero ver manter essa animação depois de entrar na turma tal”. Afirmações desse tipo são frutos da contradição educacional. O professor ao concordar com elas na verdade esta comendo desse fruto, ao repetir esta semeando, sugiro então que passemos a buscar uma nova cultura para semearmos nas escolas.

Anúncios

Comentários em: "Teatro da vida: O papel do educador." (3)

  1. Arline de Souza e Silva disse:

    Ao meu ver, o papel do Professor, abrange um todo, porque toda atividade, que se vai iniciar, exige que esteja na frente, aquele que vai dar o passo definitivo, na vida dos que estão, escalando a carreira para o sucesso. Tudo começa pelo Professor, partindo desta assertiva, o indivíduo, começa a participar, de todo avanço e desenvolvimento cultural. Quanto mais se aprende, mais se quer demonstrar, através da coletividade, no emprego, na faculdade, no grupo de amigos e etc… Por isso, o conhecimento é vital, para todo aquele, que deseja desbravar a sociedade, e atingir a sua finalidade, no ambiente social.
    Vamos destacar aqui, o exemplo, do Filosófo Sócrates, com a sua famosa frase “Só sei que nada sei”. Porque ele se colocava, no meio da multidão de pessoas, para adquirir e transmitir conhecimento, quanto mais ele indagava as pessoas, mas elas, ficavam disponíveis, para passar aprendizado, e receber conhecimento também.
    Só através do conhecimento, que poderemos, transformar o nosso País, em um estado, mais desenvolvido, para assim, nos orgulharmos, de ter construído, uma Nação mais robusta e alicerçada para o crescimento. de cidadãos mais capacitados, para atuarem, em todos os âmbitos profissionais.

  2. Gostei myi mesmo eu achei legal.culturalmente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: